REESTRUTURAÇÃO DE INVESTIMENTOS EM RENDA FIXA

31/07/2015

SERPROS CONCLUI REESTRUTURAÇÃO DE INVESTIMENTOS EM FUNDOS DE RENDA FIXA

Com o objetivo de reduzir gastos anuais de até R$ 100 mil com pagamento de taxas, o SERPROS concluiu em julho uma mudança, iniciada no ano passado, nos fundos que investia cerca de R$ 3,37 bilhões, 76% do patrimônio administrado. Com a reestruturação, deixamos de ser gestores de dois grandes fundos e passamos a ser cotistas dos fundos relacionados a eles.

Até o encerramento do exercício de 2014, os investimentos em renda fixa do SERPROS estavam em  dois Fundos de Investimentos em Cotas (FICs): o Multimercado ADVANTAGE III Crédito Privado e o Multimercado SECURITY Crédito Privado, formados por cotas de quatro Fundos de Investimento Multimercado (FIMs): ACONCÁGUA Crédito Privado, Multimercado OLIMPO IX Crédito Privado, Multimercado CREDIT Crédito Privado e Multimercado QUARTZO III Crédito Privado, alocados conforme organograma abaixo:

Organograma 1

Os dois FICs acarretavam despesas de taxas institucionais pagas à Comissão de Valores Mobiliários (CVM), autarquia do Ministério da Fazenda que regula o mercado de capitais, às empresas administradoras, à Associação dos Bancos de Investimento (ANBID) e despesas com a Central de Custódia e de Liquidação Financeira de Títulos (CETIP), auditoria, cartórios, entre outras. Esses custos tinham significativo impacto nos índices de rentabilidade apresentados pelo segmento de renda fixa.

Após estudos realizados pela Diretoria Executiva do SERPROS, no segundo semestre de 2014, foi decidido encerrar os FICs e investir diretamente como cotista dos FIMs, conforme apresentado abaixo:

Organograma 2

Esse processo de reestruturação durou um ano porque foi necessário, entre outros trâmites burocráticos, aprovar as alterações no regulamento do SERPROS e do administrador dos fundos. Essas mudanças são ações exigidas pela CVM.

Com a reestruturação, os recursos passaram de R$ 3,37 bilhões para R$ 3,42 bilhões, ficando distribuídos da seguinte forma:

Tabela 2 Tabela

Ressaltamos ainda que o SERPROS envia mensalmente seus balancetes e o Demonstrativo de Investimento para a Superintendência Nacional de Previdência Complementar (PREVIC), cabendo ao administrador (instituição terceirizada) o envio à CVM das demais informações dos fundos. É o que prevê a legislação aplicável.

Leia mais »

INVESTIMENTOS: RESULTADO SERPROS NO 1º SEMESTRE DE 2015

30/07/2015
O fraco desempenho da economia brasileira no primeiro semestre de 2015 contribuiu decisivamente para que as Entidades Fechadas de Previdência Complementar (EFPC) não viessem alcançar a meta atuarial (juros + inflação) estabelecida para seus planos de benefícios. Isso porque os investimentos dessas entidades são diretamente impactados pela conjuntura do mercado financeiro.

A existência de ativos nas carteiras das EFPCs com desempenho dos indexadores inferiores aos índices que compõem as metas atuariais se constitui em um dos fatores que contribuem para essa baixa performance. E isso foi o que aconteceu com o SERPROS, que traz na sua carteira tais ativos, como é o caso de alguns atrelados ao Índice Geral de Preços do Mercado (IGP-M), cujo valor acumulado no período se mostrou inferior ao Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), o índice adotado pela Entidade.

Mas há de se destacar que a maior contribuição para a baixa rentabilidade dos planos de benefícios administrados pelo SERPROS veio dos provisionamentos das eventuais perdas de investimentos em ativos privados realizados por força da legislação aplicável em decorrência de inadimplências. Tais provisionamentos representam um custo para esses planos, de modo que contribuíram significativamente para a redução do resultado (queda de rentabilidade) dos planos no primeiro semestre de 2015.

No que tange à meta atuarial de um plano de benefícios, é com base nela que se projeta a rentabilidade esperada dos ativos financeiros no longo prazo, de modo que uma baixa rentabilidade apresentada em um determinado período pode ser compensada em anos posteriores. Desta forma, a Entidade está trabalhando para ajustar sua carteira de investimentos, na tentativa de alcançar melhores resultados.

É oportuno que se chame a atenção para o fato de que o desempenho apresentado pelos investimentos, que rentabilizaram as cotas no primeiro semestre de 2015, não tem nenhuma relação com o fato de a Entidade estar sob intervenção da Superintendência Nacional de Previdência Complementar (Previc). Muito pelo contrário, a intervenção tem a finalidade de proteger o direito dos participantes e assistidos. E isso ela faz melhorando os processos de gestão, sobretudo, o de seu portfólio de investimentos, no que diz respeito a retorno e a risco.

Ainda se falando de intervenção, ressaltamos que a Previc instituiu uma Comissão de Inquérito com o objetivo de apurar possíveis irregularidades na gestão da Entidade, de modo que muito em breve serão adotadas algumas ações para expor aos participantes, de forma mais transparente, a situação dos planos de benefícios administrados pelo SERPROS.

Leia mais »

APOSENTADORIA PROGRAMADA

30/07/2015
Quem termina seu vínculo empregatício com o patrocinador, pode pensar em desfrutar do seu benefício de aposentadoria programada. Mas existem outros requisitos a serem cumpridos. Relembre abaixo as condições de elegibilidade:

· Ter feito no mínimo 60 contribuições mensais ao PS-II (5 anos de contribuição)

· Ter 55 anos (idade reduzida para 53 caso o participante seja fundador)

. Aposentado pela Previdência Oficial (INSS)

Lembrando ainda que no momento do requerimento, o participante pode escolher se prefere receber parte do que acumulou em uma parcela à vista ou se todo o seu saldo de contas será revertido para a renda de aposentadoria ao longo dos anos. Os valores para a parcela à vista correspondem a:

· Até 25% da parte constituída das contribuições básicas e variáveis
· 100% das contribuições espontâneas e portabilidade

Leia mais »

NOVA REGRA DA APOSENTADORIA INTEGRAL NO INSS

30/07/2015
Tem acompanhado as mudanças no cálculo das aposentadorias por tempo de contribuição no INSS? A nova regra foi estabelecida pela Medida Provisória nº 676, publicada no Diário Oficial do dia 18 de junho desse ano. Segundo o Ministério da Previdência Social, agora “o cálculo levará em consideração o número de pontos alcançados somando a idade e o tempo de contribuição do segurado – a chamada Regra 85/95 Progressiva”.

A regra, no entanto, não impacta os benefícios atuais e as novas concessões no SERPROS. O gerente previdenciário do SERPROS, Orlando Orofino, explica que: “No PS-I, o Benefício Proporcional Acumulado (BPA) já está calculado com as regras vigentes em 1º de abril de 2013. Já no PS-II, os cálculos dos benefícios não consideram os valores recebidos pelo INSS”.

E o que muda para o participante?

O único impacto na aposentadoria do participante é com relação à previdência oficial. “Alguns irão preferir trabalhar por mais tempo com o objetivo de melhorar o benefício concedido. Assim adiarão também o recebimento da sua previdência complementar”.

Leia mais »

>> CLIQUE AQUI E ACESSE AS NOTÍCIAS ANTERIORES