21/03/2019

A expectativa sobre a aprovação da reforma previdenciária no Congresso e as dúvidas se haverá ou não recursos suficientes para os pagamentos de aposentadoria no futuro fazem com que o brasileiro comece analisar melhor a importância de uma complementação de renda, a fim de garantir mais segurança e qualidade de vida durante a fase pós-laboral.

Um recente estudo elaborado pelo buscador de aplicações financeiras Yubb registrou aumento de 14 vezes no volume de consultas sobre os planos de previdência privados em comparação com o mesmo período do ano passado dentro da plataforma. Segundo a Yubb, em fevereiro de 2019, foram 987 mil buscas contra 66 mil há 12 meses. Uma evolução de 1,24% do porcentual passado de buscas sobre os produtos financeiros para 14,36%.

Além de servir como uma complementação da aposentadoria pelo INSS, a previdência privada, fechada ou aberta, chama a atenção por apresentar diversas vantagens em relação a outros investimentos como, por exemplo, a possibilidade de reduzir o Imposto de Renda.

Na previdência complementar aberta, oferecida por bancos ou seguradoras, qualquer pessoa física ou jurídica pode contratar para si ou para terceiros. A gestão, no entanto, tem fins lucrativos, o que reflete em maiores taxas de administração para gerir as contribuições. Já para os que têm a possibilidade de aderir e investir em uma previdência fechada (fundos de pensão), como o Serpros, os benefícios podem ser ainda maiores.

Segundo informações da Associação Brasileira das Entidades Fechadas de Previdência Complementar (Abrapp), os também chamados fundos de pensão apresentaram rentabilidade bastante superior se comparada à previdência aberta em 2018.

De acordo com a associação, os fundos de investimentos voltados para as Entidades Fechadas de Previdência Complementar (EFPC) tiveram retorno líquido médio de 9,31% contra 6,74% dos fundos das entidades abertas em 2018, conforme levantamento através do IGI (Indicadores de Gestão de Investimentos). Além da possibilidade de maior rentabilidade, os fundos de pensão apresentam taxas mais reduzidas e, em muitos casos, contam ainda com a paridade da empresa patrocinadora.

Essa paridade contributiva é uma das principais vantagens do Plano Serpro II (PS-II) do Serpros. Para cada um real que o participante aporta nas contribuições Básica e Variável, a patrocinadora contribui com mais um, dobrando o montante acumulado. A patrocinadora também custeia paritariamente a contribuição Risco, que é destinada ao pagamento de auxílio-doença, aposentadoria por invalidez, pensão e pecúlio. Outra vantagem é que o participante tem a possibilidade de aumentar ainda mais o seu saldo de contas, efetuando as contribuições espontânea mensal e esporádica.

Os participantes do Serpros ainda têm a vantagem de solicitar empréstimos com os juros mais baixos do mercado, com contrato com parcelas fixas, juros pré-fixados, e prazos de até 48 meses para quitação.

Todas estas vantagens fizeram com que os ativos das entidades fechadas associadas à Abrapp ultrapassassem, pela primeira vez, o nível de R$ 900 bilhões, de acordo com o Consolidado Estatístico da associação.

A tendência ainda é de crescimento em virtude de diversas ações tomadas como a instituição de planos famílias, que se destinam aos parentes dos participantes; como o maior controle na governança e autorregulação dos planos; e com o CNPJ por plano de benefício, que traz independência e segurança patrimonial aos planos e proporciona maior segurança aos beneficiários dos planos de previdência complementar fechados. A expectativa do presidente da Abrapp, Luís Ricardo Martins, é que as entidades associadas ofereçam o quanto antes os planos familiares. “Dentro desse movimento, a expectativa é de que, em três anos, já tenhamos dobrado o número de participantes no segmento, de 3,4 milhões para um total de 7 milhões”, afirma.

Brasileiros buscam cada vez mais a previdência complementar