18/01/2017

A falta de tempo muitas vezes pode ser um argumento para as pessoas não realizarem uma atividade física regularmente. No entanto, para aqueles que deixaram a vida laboral e estão aposentados, por exemplo, essa pode ser a oportunidade de investir em mais qualidade de vida, conforme sugere o cardiologista Cláudio Tinoco, professor da Faculdade de Medicina da Universidade Federal Fluminense.

Segundo o especialista, estar aposentado é uma oportunidade na vida de muitas pessoas, principalmente quando o assunto é qualidade de vida. “Muitos aproveitam o tempo livre para realizar atividades físicas e lúdicas que enriquecem a vida e melhoram muitos aspectos da saúde”, diz.

Cláudio Tinoco lembra da importância de consultar um médico para uma avaliação cardiovascular antes de se engajar em atividades físicas, seja na clínica geral, na cardiologia, na medicina de família ou na geriatria, por exemplo.

O cardiologista considera as atividades aeróbias, como caminhar, andar de bicicleta, correr e nadar, mais saudáveis dos pontos de vista da proteção a doenças do coração, da prevenção e também do tratamento de outras enfermidades, como a obesidade, o diabetes, o colesterol alto, a depressão e, mais recentemente, o câncer.

“A atividade física deve ser incentivada por vários motivos, sendo que nas mulheres um benefício adicional é a redução da osteoporose, que é mais comum no sexo feminino, e após a menopausa, o aumento do risco de fraturas”, explica.

O professor ressalta que não importa a idade quando estamos falando em qualidade de vida, pois a prática de exercícios físicos oferece benefícios “para se manter saudável e poder aproveitar os muitos anos de vida feliz e de qualidade que hoje a maioria das pessoas com 60 anos tem pela frente”, conclui.

Mais qualidade de vida na melhor idade